Notícias

Blocos de evangelismo no carnaval: Certo ou errado?

Como forma de cumprir o serviço da pregação do Evangelho, algumas igrejas do Brasil passaram a organizar projetos para evangelizar blocos de rua durante o carnaval. Iniciativas já tradicionais de muitas denominações atraem também aqueles que não gostam da folia carnavalesca e querem outro sentido ao feriadão.

Mas as ações não são consenso dentro do meio evangélico. O pastor Josué Valandro Jr., da Igreja Batista Atitude, defende que o intuito é colocar os cristãos nas ruas e mostrar outra forma de alegria aos foliões.

-Nós acreditamos muito nos blocos de evangelismo porque durante o carnaval as pessoas são confrontadas por vários sentimentos, da sua carnalidade, das suas angústias, dos seus medos. Quando elas se sentam veem que aquilo tudo não proporciona na vida delas o que esperariam. Então a gente pega as pessoas nesse momento de questionamento pessoal. A resposta é que essa folia causa angústia, mas a alegria que Cristo traz é forte – afirmou ao Pleno.News em entrevista.

O pastor Valandro afirma que quase 2 mil pessoas se decidiram por Cristo no último impacto e que algumas delas passaram a frequentar a igreja. O bloco Sal da Terra, que atua no Pelourinho há 20 anos, tem uma média de 500 participantes por ano e, segundo dados do próprio grupo, já impactou milhares.

– Desde 2000 estamos nas ruas promovendo a mensagem de Jesus aos foliões e alcançamos resultados positivos. Muitas pessoas tiveram suas vidas transformadas para sempre, pois encontraram uma alegria que dura o ano inteiro – apontou o líder Mike Mohr.

Além da Igreja Batista Atitude, do Rio de Janeiro, outras mantêm as iniciativas dos blocos, como Cara de Leão, do Projeto Vida Nova; Sal da Terra, da Igreja Batista Missionária da Independência, de Salvador; Bateria Reação, da ADVEC Recreio, do Rio de Janeiro; Bateria Abençoada, da igreja Bola de Neve do Rio de Janeiro; e Mocidade Dependente de Cristo, da CEIZS, também do Rio de Janeiro.

Pastores falaram sobre suas visões. Outro pregador que apoia as iniciativas é o apóstolo Ezequiel Teixeira, do Projeto Vida Nova. A denominação possui uma ação de carnaval há 15 anos.

– Nós não nos retiramos no carnaval, nós usamos o Bloco Cara de Leão para ganhar vidas. É uma estratégia para gerar muitos filhos para Deus – defende ele.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

leia também

%d blogueiros gostam disto: