Notícias

Candeias: A demagogia do alcaide

Depois de abandonar ao acaso os serviços municipais, inclusive essenciais, como saúde, educação, social e atendimento ao público ele fala de ‘insensibilidade’ com se desse para esquecer, e ainda pensa que os funcionários públicos não fossem vítimas do descaso

As pessoas e, principalmente políticos que vivem no sofisma, pensam que um fato isolado, mas importante, vai superar especialmente todos os erros, as máculas e até inverdades praticadas.

Primeiro, quero dizer que todos os candeenses, ou quase todos, lembram os 48 meses de desmandos entre janeiro de 2013 a dezembro de 2016 na ‘indigestão’ do alcaide Sargento Francisco, tido como um dos piores gestores de todos os tempos da Cidade das Luzes.

Para não ser longo, vamos a alguns fatos:

Como ficou a Vila Benedito, no Sarandi, onde deveriam morar 126 famílias de baixa renda, mas que em 2012 a obra foi abandonada?

A estrada da vergonha, que liga a BA 523 à Prefeitura, onde passam diariamente autoridades de todos os níveis e milhares de candeenses?

Alguém lembra do caos da Biblioteca Municipal de Candeias onde o Sargento seque colocou R$ 1?

E o abandono dos prédios públicos de Candeias? Quase todos sucateados com infiltrações, rachaduras, umidade e até mofo. Também devo falar das ruas, avenidas e estradas vicinais esburacadas. Hoje ainda não se pode dizer que estão 100%, e vai demorar para ficar, mas no tempo do ‘alcaide’ todos sabemos que eram caos.

O que fez o ‘demagogo’ em relação à Filarmônica?

E o caos na Saúde? Hospital José Mário dos Santos (Ouro Negro) abandonado e sob intervenção com tudo alugado. Hoje todos os equipamentos são próprios. E o Posto Luiz Viana Filho? Ninguém esqueceu que Chico mandou fechar. Mas a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) também foi fechada (e laudos atestam) para não ser local de uma tragédia em razão do descaso na manutenção no período de 2013 a 2016.

Vocês sabem que para a duplicação do viaduto da Nova Brasília houve duas licitações? A primeira de R$ 1,3 mi e a segunda, quase um ano depois, de R$ 2,4 milhões no mais caro metro de pista do mundo. Essa é em 4 anos e meio a única obra do Sargento a um preço exorbitante inflacionada em 80% contra a oficial no período de menos de 11%.

Não se deve negar que no período os servidores tiveram os reajustes nos salários, mas trabalhavam em condições adequadas? E precisa melhorar muito. Havia concessão de licença-prêmio?

Quantas rescisões o Sargento pagou?

Que tal chegar na escola e não poder dar aula por falta de condições nas salas? Que tal chegar no PSF ou UBS e faltar álcool, agulha ou esparadrapo?

Em todo o período daquela indigestão, que não vai voltar, houve aumento de receita na Prefeitura, mas a rejeição pela má qualidade do ‘administrador’ chegou a 93%, segundo pesquisa interna de avaliação.

Comprometimento do erário

A irresponsabilidade da gestão passada levou a Prefeitura a tomar empréstimo de R$ 15 milhões no Desenbahia e quem vai pagar? Os próximos gestores. O dinheiro foi para melhoria da BA 522, mas a obrigação era do Estado. Não houve parceria, e todos os munícipes de Candeias vão pagar.

Nenhuma cidade da região vai gastar nada. Somente Candeias.

Vocês sabem que ao invés de estar na reunião para conseguir uma Policlínica construída pelo Estado, o então ‘indigestor’ não foi? Procurado e percebida a omissão, Rui Costa ouviu o pedido do prefeito de Simões Filho, e vai ser construída lá.

A irresponsabilidade levou ao abandono da obra da Vila Benedito, e a Prefeitura e para concluir a obra vai gastar, ao invés de R$ 1,8 milhão, mais de R$ 4 milhões.

A verba para a obra da Rua Wanderley de Araújo Pinho foi abandonada pelo Sargento. Até hoje a Prefeitura tenta recuperar parte dos recursos, e mesmo assim, deve gastar o dobro: em torno de R$ 4 milhões.

Consequências

As consequências desses desmandos do ‘alcaide’ é a Prefeitura gastar mais do que deveria para melhorar e manter serviços para toda a população como reforma do hospital, do posto médico, hoje Centro de Saúde, de prédios públicos antes sucateados, ajustar a contas e tirar a cidade do CAIC (o SPC dos órgãos públicos).

Somados dos todos os recursos que o ‘sargento’ desprezou, daria em torno de R$ 30 milhões de perdas para Candeias.

Com a obra da Orla de Caboto a previsão da contrapartida de Candeias seria de R$ 16 mil, mas o ‘alcaide’ nada fez. A gestão atual concluiu a obra gastando quase R$ 80 mil a mais.

Lembram do afastamento do cargo do Sargento em julho de 2016? O processo ainda corre na Justiça.

Embora o servidor não deva pagar, e merece o reajuste, tudo que fazemos na vida pessoal e pública gera consequências, mas nem sempre para quem pratica a irresponsabilidade.

E ninguém em Candeias pode comparar a atual gestão pelas diversas realizações com os descasos do ‘alcaide’ na saúde, no social, em obras, mas reconheço que ajustadas as contas, o servidor vai ter reconhecimento depois do esforço feito nesses anos da atual gestão.

E apesar de funcionário da Prefeitura, amigo do atual prefeito, admito que é hora de um maior esforço para atualizar os salários dos servidores. E como cidadão e ex-sindicalista considero legítima a reivindicação dos servidores.

Não precisa responder, alcaide!!!

Mas porque saiu tal mal avaliado???

E o desmando praticado naquele período vai durar o dobro do tempo da indigestão para resolver.

Yancey Cerqueira,

Radialista DRT/BA 06

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

leia também

%d blogueiros gostam disto: