Polícia

Quilombola é amarrado e espancado por comerciante; Polícia Civil investiga o caso

Um quilombola foi amarrado, arrastado e agredido com pontapés por um comerciante no último sábado (11) no município de Portalegre (RN), distante 373 quilômetros de Natal.

O caso ganhou repercussão a partir desta segunda-feira (13), depois de o vídeo da agressão viralizar nas redes sociais. Nele, o quilombola Luciano Simplício, 23, aparece deitado no asfalto com as mãos e os pés amarrados por uma corda e recebe pontapés de um comerciante identificado como Alberan Freitas -que alega que Simplício arremessou uma pedra em seu comércio.

O inquérito para apurar o caso foi aberto pela Polícia Civil ainda no sábado. Nesta terça (14), a delegada-geral do Rio Grande do Norte, Ana Cláudia Saraiva, afirmou que as imagens apontam para o crime de tortura e maus-tratos, mas que ainda é preciso aguardar o término da investigação.

Leia mais:

Vídeo: Idoso de 98 anos é acusado de matar homem após discussão no Largo Dois de Julho
Tenente morto por bandidos em Cosme de Farias pediu mais prestígio para policiais em último post em rede social

“É prematuro afirmar se o agressor vai ser indicado por tortura ou maus-tratos porque há nuances entre um crime e outro que só podem ser ditos no final da investigação”, disse.

Segundo a delegada, Freitas também pode ser indiciado por racismo, mas isso depende de elementos testemunhais colhidos no inquérito. “Também vamos apurar, a partir das testemunhas, se houve motivações racistas para a agressão. É algo que vai depender do que ele expressou naquele momento da agressão”, disse.

A possível participação de outras pessoas no crime também é investigada. O inquérito deve ser concluído até este final de semana, de acordo com a Polícia Civil.

A agressão teria acontecido após Freitas e Luciano discutirem na frente do estabelecimento do comerciante. Relatos dos moradores afirmam que o quilombola teria sido chamado de “bandido e drogado” por Freitas e acabou arremessando uma pedra contra o local.

“O que é meu eu tenho o direito de defender”, disse o agressor no vídeo, enquanto Simplício grita de dor.

Freitas afirmou à Polícia Civil, em seu depoimento, que a discussão com Simplício começou após o quilombola pedir um pouco de comida em uma confraternização do comerciante com os amigos e se recusar a sair depois de ter o pedido atendido.

Segundo ele, Simplício “se alterou” e começou a ameaçá-lo de morte. Depois de pedir para que ele se afastasse, o quilombola teria arremessado a pedra no estabelecimento, vizinho à casa em que mora. A reação teria sido uma forma de “defender o patrimônio”, segundo o comerciante.

A reportagem não conseguiu ouvir Freitas nesta terça.

Os dois foram conduzidos no mesmo dia pela Polícia Militar para a 4ª Delegacia Regional de Polícia de Pau dos Ferros, município vizinho a Portalegre, antes de o vídeo ganhar repercussão nas redes sociais.

Simplício foi autuado por depredação e Freitas, por lesão corporal. Os policiais que conduziram os dois não presenciaram a agressão.

Após a repercussão do vídeo, um áudio atribuído ao comerciante também passou a ser difundido nas redes sociais. Entretanto, até esta terça, ele não havia chegado ao conhecimento da delegada-geral.

Nele, uma voz masculina, supostamente de Freitas, afirma que repetiria novamente a agressão.

Segundo relatos de moradores da região, Simplício é quilombola da comunidade do Pega, em Portalegre, e está em situação de rua desde que perdeu os pais. A partir daí, ele teria passado a fazer uso abusivo de álcool.

A governadora Fátima Bezerra (PT), numa rede social, afirmou que havia determinado a “apuração imediata e rigorosa” do caso e que o estado “não será conivente”.

O caso também é acompanhado pela Conaq (Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos) e pela Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Rio Grande do Norte (Coeppir). As duas entidades afirmaram que estão dando apoio jurídico e de proteção à vítima.

A Conaq afirmou que o crime se configurou tortura e uma reprodução da escravidão. “Para a Conaq, a agressão foi motivada pelo racismo e a certeza de impunidade. O linchamento de jovens negros pela sociedade brasileira evidencia segregação racial e social tão presentes no dia a dia do povo preto do Brasil”, afirmou, em nota.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

leia também